CRÍTICA: Hereditário (2018)

 
Sinopse: Após a morte da reclusa avó, a família Graham começa a desvendar algumas coisas. Mesmo após a partida da matriarca, ela permanece como se fosse uma sombra sobre a família, especialmente sobre a solitária neta adolescente, Charlie, por quem ela sempre manteve uma fascinação não usual. Com um crescente terror tomando conta da casa, a família explora lugares mais escuros para escapar do infeliz destino que herdaram.

por Ana Lívia;

Em um primeiro momento, a crítica norte-americana apontou ‘Hereditário’ (Hederitary – Ari Aster) como o novo “Exorcista” (William Friedkin), comparando-o ainda com outro clássico – O Iluminado (Stanley Kubrick). Entretanto, as tramas não gozam de semelhanças nítidas e as poucas relações entre os filmes podem estar na exploração e construção do medo, sem qualquer receio de levar o macabro ao seu limite.

Na trama, acompanhamos os Graham aprendendo a lidar com eventos recentes e perturbadores, a começar pela morte da mãe de Annie (Toni Collette, numa atuação impressionante e digna de premiações). Instala-se, a partir disso, uma tensão cada vez maior naquele ambiente familiar, desembocando numa série de conflitos entre eles além de um constante e crescente flerte entre o horror sobrenatural e o psicológico. Aqui, o terror é instalado de forma sútil e quase imperceptível aos olhos dos telespectadores, o diretor opta por cenas longas e por uma trilha sonora que, muitas vezes, aposta somente no silêncio para construir as emoções dos personagens. Além é claro, das cenas imprevisíveis e situações mais realistas que são colocadas em cenas e que parecem funcionar como catarse para alguns personagens – especialmente Annie.
 

O horror em ‘Hereditário’ é claustrofóbico, o clima desconfortável na casa e entre os familiares trazem angústia e agonia para quem assiste, além de levantar uma série de interpretações, já que as doenças psicológicas são um elemento comum entre aqueles que compõe essa família. Fazendo o espectador se perguntar se aquilo em cena realmente aconteceu ou se é apenas criação da mente de algum personagem. O ponto de equilíbrio e contestador das situações ali colocadas fica a cargo de Steve (Gabriel Byrne), o pai tenta encontrar uma forma verossímil de lidar com os problemas que assolaram sua família. 
 
O filme conta com cenas inesperadas, mas em nenhum momento o diretor se apoia em jumpscares para assustar ou impor sua atmosfera. Peter e Charlie (Alex Wolff e Milly Shapiro, respectivamente) completam a família e são responsáveis por momentos paralisantes dentro da história.
 

Assim como ocorre em ‘A Bruxa’ e em ‘The Babadook’, as interações sobrenaturais e do ocultismo existem mais para mostrar as relações familiares, sua construção e sua destruição, suas diferentes reações a eventos traumáticos que podem determinar o futuro de cada um dos envolvidos.
 
Hereditário é um terror psicológico de alto nível, que instala uma narrativa devastadora que nos leva a mergulhar nas relações familiares ali existentes antes mesmo de nos transportar para os elementos fantásticos da trama.

Você pode baixar ele, aqui!


2 comentários:

  1. Boa crítica. Ótimo filme. Foge do convencional e não vai para os clichês do gênero.

    ResponderExcluir
  2. Crítica muito boa. Concordo com tudo.

    ResponderExcluir

 

Visite Nossa Loja

Termos do Site

todos os arquivos de torrent que se encontram no filme-c, estão hospedados na própria internet, fazer o download desses arquivos através do nosso site é de única e exclusiva responsabilidade tua.